E O ELEITOR NA REFORMA POLÍTICA?

abril 8, 2017 Cesar Luiz Pasold Informações, REFORMA POLÍTICA 0 comentários

Foto Fernando de Castro FariaFernando de Castro FARIA

Juiz de Direito.

Mestre e Doutorando em  Ciência Jurídica na UNIVALI.

“Mais uma vez, o tema da Reforma Política está na ordem do dia. Em meio a uma gravíssima crise de representatividade, o Congresso Nacional se apressa para tentar dar uma resposta ao eleitor, mesmo sem ouvi-lo previamente.

Destaca-se, por ora, o sistema de votação em listas. O modelo atual é o proporcional de lista aberta para o Parlamento. A principal crítica é quanto ao fato de o eleitor votar em “A” e, muitas vezes, eleger “B”, mesmo de um outro partido coligado. Na lista fechada (preordenada), o partido indica a sequência dos candidatos que irão preencher as vagas, mas com o déficit de democracia interna em boa parcela das agremiações, a objeção é a de que formação da lista será feita pela cúpula.

Entretanto, o debate de afogadilho impede que se discuta, por exemplo, a lista flexível como opção viável entre aberta/fechada. Segundo tal modelo, já proposto antes e adotado em sólidas democracias europeias, o partido apresenta a ordem dos candidatos que ocuparão as vagas. Caso o eleitor concorde, deverá votar na legenda. Do contrário, escolhe o candidato de sua preferência, fazendo com que este possa ultrapassar os demais e, assim, conquistar a cadeira. A ordem, portanto, pode ser alterada.

Pode-se dizer que a reforma começa mal quando é feita às pressas e o eleitor não é convidado a participar, via plebiscito ou referendo. A completar 30 anos em 2018, nossa Constituição foi utilizada somente duas vezes para tais fins (1993 e 2005). Yves Leterme, ex-primeiro-ministro belga e secretário do International IDEA, advertiu há poucos dias, na Comissão da Reforma Política, em Brasília: o objetivo deve ser transparente e o debate amplo; é necessário o envolvimento dos cidadãos e de todos os demais atores políticos; a abordagem não pode ser isolada.

Sem ingenuidade, sugere-se aos parlamentares que se disponham a ouvir a voz do principal interessado quando o assunto é a melhoria da democracia representativa. O argumento de que o cidadão não compreenderia os mecanismos eleitorais não se sustenta. Ao contrário, está bem ciente do descompasso gerado pelo modelo atual.”

[ publicado originalmente no DC de 05/4/2017, p.18- republicado neste Blog com autorização expressa do Autor)

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Este Blog sucede ao www.advocaciapasold.com.br que foi visitado 109983.

Esta página já foi visitada 140795 vezes.

Site disponibilizado pela primeira vez em 18 de novembro de 2015.
Última atualização em 22 de Outubro de 2017.
Responsável Técnico: Leonardo Latrônico Prates
Responsável Geral: Prof. Dr. Cesar Luiz Pasold