SEREMOS NÓS NARRADORES DE MEIAS VERDADES?

março 10, 2018 Cesar Luiz Pasold Informações 0 comentários

foto de Tainá com microfoneA Colaboradora Permanente deste BLOG, a Pesquisadora Tainá Fernanda PEDRINI (Mestranda em Ciência Jurídica pela Widener University – Delaware Law School e pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Pós-graduanda em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET). Graduada em Direito na UNIVALI. CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/7222274253824129 ), é a Autora de um texto especialmente estimulador de reflexões e debates sobre um  delicado tema.

A publicação faz-se em inteiro teor nesta página de abertura de nosso Blog , tanto pelo seu mérito intrínseco quanto porque cumpriu precisamente as normas das Orientações Operacionais deste Blog. Aplausos à Autora!! Segue o texto completo:

 >“Em primeiro lugar, salienta-se que este texto não pretende discutir a viabilidade ou não da liberação de entorpecentes. Ele serve para destacar dados encontrados, o (possível) liame entre os temas apresentados e as incessantes dúvidas da pesquisadora, que podem ser esclarecidas pelos leitores deste Blog.

Em 27 de outubro de 2017, o Presidente Donald Trump declarou epidemia de vícios em opiáceos nos Estados Unidos da América (EUA) e o estado emergencial da saúde em razão disto. Destacou-se que as mortes justificadas no consumo dessas drogas causaram um 11 de setembro a cada três semanas[1].

O ocorrido não se resume aos EUA. Na Europa, a morte de pessoas por overdose dobrou nos últimos cinco anos[2]. No Brasil, apesar do crescimento da utilização de opióides, ainda não há alardes quanto ao abuso. Acredita-se que isso se deve à burocracia em conseguir o medicamento, até para aqueles que dele necessitam para fins terapêuticos – com prescrição médica[3]. Os opióides são potentes analgésicos, com propriedades semelhantes à morfina, também indutores de sono[4].

Outro dado relevante é encontrado no número de pessoas que vivem com depressão e seu expressivo aumento nos últimos anos. Segundo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS)[5], entre os anos 2005 e 2015, o número de pessoas reconhecidas com a doença aumentou 18%. No Brasil, atinge 11,5 milhões de pessoas e os distúrbios relativos à ansiedade, 18,6 milhões.

A utilização dessas drogas, sem prescrição médica e a ausência de sintomas físicos reais à utilização de analgésicos, assim como os verdadeiros motivos para o aumento da depressão e da ansiedade generalizada trazem indagações sobre a (in)tolerância da existência humana na Sociedade atual, líquida, ser contribuinte para esses dados.

As redes sociais seriam também relevantes para esses resultados? Uma pesquisa realizada pelas Universidades de Michigan (EUA) e Leuven, na Bélgica, revelou, com experimento em oitenta alunos de graduação, que ao utilizarem passivamente o “Facebook” durante o dia, sentiram-se significativamente piores. No entanto, quando a interação se torna direta, repentinamente, há melhora no humor das pessoas submetidas à avaliação[6].

A fragilidade dos laços, a agilidade e a facilidade de expor qualquer conteúdo informativo “online”[7] e o sensível aumento da exibição da privacidade por internauta reflete a ideia de que somos solitários em meio à multidão de pessoas “online”, narrando nossas próprias estórias (em que o escritor é geralmente uma pessoa comum) que aguarda gradativamente um maior número de “likes”.

Além disso, afloram nossas faltas e comparações aos demais indivíduos – pois concomitantemente se publicam (falsas) felicidades plenas e sofre-se de um círculo vicioso, por não terem a vida que declaram nas páginas sociais.

Viver é, dentre todas as coisas, acostumar-se a um cotidiano comum, às rotinas. Para justificar e enaltecer a existência, baseando-a em fundamentalismo ou não, é preciso frequentemente despertar a beleza da vida e inventar essências que a tornam tolerável. “Existe a dor, a solidão, a finitude representada pela morte, a ausência permanente de paz, o risco da perda de quem amamos, para a insegurança quando um filho tarda em voltar para casa… muitas ansiedades”[8]. Além disso, dentre as mazelas da vida, encontra-se a severa exigência de sermos sempre melhores, no sentido de alta formação intelectual e perfeccionismo estético, principalmente, cada vez mais cedo.

Nessa Sociedade moldada pelas aparências evidenciadas nas redes sociais, procurar cotidianamente o belo da vida parece impossível. A inverdade sobre uma felicidade plena demonstrada pelo outro torna os espectadores, muitas vezes, frustrados. A ansiedade e a solidão acima referidas parecem ter sido agravadas por uma cibercultura de telepresença generalizada[9] – em que os contatos reais entre os indivíduos estão cada vez mais escassos e as vidas parecem cada vez mais perfeitas.

Não há dúvida de que o ciberespaço[10] trouxe diversos avanços à humanidade. Contudo, junto ao “mar” de informação por ele fornecido, tornou-se imprescindível a capacidade, do sujeito que dele se utiliza, de escolher, selecionar e filtrar essas ideias expostas nas redes.

Será que estamos preparados para lidar com as problemáticas possivelmente geradas pelas redes sociais, agravadas pela educação deficitária, assim como utilizamos de seus benefícios? O crescimento dos dados expostos pode ser um alerta de que precisamos agir diante dessa antítese discutida?

[1] BBC BRASIL (Brasil). Epidemia de drogas: opioides causam um ’11 de Setembro’ em mortes a cada três semanas nos EUA: Comissão bipartidária diz que 142 americanos morrem por dia por abuso de drogas como heroína e analgésicos potentes e pede que presidente Trump declare emergência nacional.. 2017. Disponível em: <https://g1.globo.com/bemestar/noticia/epidemia-de-drogas-opioides-causam-um-11-de-setembro-em-mortes-a-cada-tres-semanas-nos-eua.ghtml>. Acesso em: 28 fev. 2018.

[2] LETÍCIA MORI (São Paulo). BBC Brasil. Por que o Brasil escapou ileso da droga que virou epidemia nos EUA e na Europa. 2017. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/brasil-41753994>. Acesso em: 28 fev. 2018.

[3] LETÍCIA MORI (São Paulo). BBC Brasil. Por que o Brasil escapou ileso da droga que virou epidemia nos EUA e na Europa. 

[4] Ver mais em: METRI, Laila Ferreira; PORTUGAL, Brina. Abuso de opióides. Pontíficia Universidade Católica de Goiás. Disponível em: <http://www.cpgls.pucgoias.edu.br/6mostra/artigos/SAUDE/LAILA%20FERREIRA%20METRI.pdf>. Acesso em 28 fev. 2018. e  DUARTE, Danilo Freire. Breve História do Ópio e dos Opióides. Revista Brasileira Anestesiol. 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rba/v55n1/v55n1a15.pdf>. Acesso em 28 fev. 2018.

[5] ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (Brasil). OMS registra aumento de casos de depressão em todo o mundo; no Brasil são 11,5 milhões de pessoas. 2017. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/oms-registra-aumento-de-casos-de-depressao-em-todo-o-mundo-no-brasil-sao-115-milhoes-de-pessoas/>. Acesso em: 28 fev. 2018.

[6] http://ns.umich.edu/new/noticias-em-portugues/22722-uso-passivo-do-facebook-prejudica-o-bem-estar-das-pessoas

[7] Faz-se referência às fakenews, tema para eventual próxima pesquisa.

[8] MELO, Fábio de; KARNAL, Leandro. Crer ou não crer: uma conversa sem rodeios entre um historiador ateu e um padre católico. São Paulo: Planeta, 2017, p. 39.

[9] Expressão de LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed.34, 1999, p. 127. Título Original: Cyberculture.

[10] Expressão de LÉVY, Pierre. Cibercultura.”

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Este Blog sucede ao www.advocaciapasold.com.br que foi visitado 109983.

Esta página já foi visitada 326850 vezes.

Site disponibilizado pela primeira vez em 18 de novembro de 2015.
Última atualização em 23 de Outubro de 2018.
Responsável Técnico: Leonardo Latrônico Prates
Responsável Geral: Prof. Dr. Cesar Luiz Pasold