ASPECTOS JURÍDICOs DO PETRÓLEO : AGENDA POSITIVA PARA O BRASIL  

outubro 29, 2018 Cesar Luiz Pasold Informações 0 comentários

 

fabiopugliesi2

 O nosso Colaborador Permanente Advogado e Prof. Dr. Fabio PUGLIESI- Docente da ESAG-UDESC- contribui mais uma vez como nosso Blog, com relevante Tema para integrar uma Agenda Positiva para nosso País.

O Texto é informativo e estimulador de leitura atenta e intensa reflexão!

Segue o Artigo em seu inteiro teor :

“O pré-sal vai tornar o Brasil um dos dez maiores produtores de petróleo no mundo. As possibilidades da indústria do petróleo são imensas ao prosseguir os leilões dos blocos do pré-sal. A complexidade técnica da área fortalece a área de engenharia do petróleo que aplica os conhecimentos de geologia, química e física. Em palestra realizada no Centro de Ensino da Foz de Itajaí da Universidade do Estado de Santa Catarina (CESFI/UDESC), onde se realizam atividade de ensino, pesquisa e extensão em engenharia do petróleo, a Techint que UMA plataforma de petróleo requer investimento de 3 bilhões de dólares.  Faz-se a seguir algumas notas sobre o regime jurídico do Petróleo, disposições constitucionais, bem como referentes à lei do petróleo e para exploração do pré-sal, constituindo uma área compreendida no Direito Econômico.

A exploração do subsolo tem tido diversos regimes jurídicos nas Constituições Brasileiras. Abstraindo a Constituição de 1924, dada a menor importância dada ao tema no século XIX brasileiro, verifica-se na Constituição de 1891que o dono do solo era também dono do subsolo, o que constituiu uma exceção, pois nas Constituições de 1934, 1937, 1946 e 1967/69 e a atual CRFB/88.

Após a segunda guerra mundial, o petróleo passa a ter um papel crescente, por meio da lei n. 2004/53 estabeleceu-se que o monopólio fosse exercido pelo Conselho Nacional do Petróleo, fazendo também o papel de orientador e fiscalizador, bem como criou-se a Petróleo Brasileiro S/A – Petrobrás S/A, sociedade de economia mista que passou a exercer o monopólio de prospecção, produção e refino do petróleo.

O artigo 177 da CRFB/88 dá os lineamentos da regulação da atividade econômica do petróleo, aliás a Emenda à Constituição n. 9/95 tornou flexível o monopólio da atividade, alterando o parágrafo primeiro ao autorizar a União contratar com empresas estatais ou privadas a exploração do petróleo.

Por meio da lei n. 9.478/97, que é conhecida como a “ lei do petróleo”, revoga-se expressamente a Lei nº 2.004/53 e criam-se o CNPE (Conselho Nacional de Política Energética), a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás natural e Biocombustíveis).

O processo de aquisição de blocos para a exploração e produção de petróleo e gás natural segue conduzido pelo Presidente da República, bem como pelos órgãos acima referidos.

Todos os direitos de exploração e produção de petróleo e gás natural pertencem à União, cabendo sua administração à Agência Nacional do Petróleo com a anuência do Conselho Nacional do Petróleo. Como atribui-se um poder normativo a agência reguladora.

Um exemplo que caracteriza a ANP no direito brasileiro, refere-se à norma que autoriza os postos de determinada bandeira a somente vender combustível da mesma bandeira.

Levado ao Poder Judiciário o litígio em que um empresário de posto de gasolina foi multado por vender combustível de outra bandeira, alegou este que a norma da ANP contrariaria a livre concorrência, a decisão do tribunal entendeu que o Poder Judiciário não deve questionar as decisões técnicas da ANP.

O petróleo se encontra na plataforma continental que compreende o leito e o subsolo das áreas submarinas que se estendem além do seu mar territorial, em toda a extensão do prolongamento natural de seu território terrestre, até o bordo exterior da margem continental, tendo o Brasil pleiteado que se reconheça internacionalmente sua extensão além das 200 milhas marítimas.

O pré-sal exigem alto investimento e tecnologia, exigindo que o preço do petróleo alcance níveis que compensem o gasto para produzir o petróleo o que impõe a realização de audiências públicas no âmbito da ANP para aferir a tendência dos preços internacionais e agendamento de leilões de blocos

A exemplo de outras leis que tratam de temas técnicos sobre energia, a lei do petróleo traz definições de blocos, campos de petróleo e outros termos específicos destinados a aplicar a lei, não constituindo conceitos jurídicos que possam ser utilizados na interpretação de textos normativos que não se relacionem à prospecção e produção de petróleo no Brasil, segundo a lei do petróleo.

O volume de recursos necessários é tão alto que os editais de leilões de blocos têm exigido a formação de consórcios constituídos por uma empresa internacional e outra brasileira, em linhas gerais não precisando ser a Petrobrás.

Segundo o disposto no artigo 278 da lei n. 6.404/76 as sociedades anônimas podem constituir consórcio para executar determinado empreendimento, além disso o consórcio não tem personalidade jurídica embora, por ocasião de sua constituição devam ser inscritos no Cadastro das Pessoas Jurídicas – CNPJ, pois sua receita é tributada separadamente pelo imposto de renda, contribuição social sobre o lucro e PIS/COFINS.

Os contratos celebrados são o contrato de concessão e, no âmbito do Pré-sal, os contratos de partilha.

Nos contratos de concessão as atividades de exploração e produção do petróleo e de gás natural decorrem de licitações, conduzidas pela ANP. Por meio deste contrato a concessionária se obriga a explorar por sua conta e risco e, em caso de êxito, produzir petróleo e gás natural em determinado bloco, sujeitando-se aos encargos relativos ao pagamento de tributos incidentes e das participações legais ou contratuais, a exemplo do pagamento de royalties que compensam o Brasil pela extração do petróleo de sua plataforma continental.

Destaque-se que o royalty não é tributo, mas receita originária da União que, segundo a CRFB/88, deve ser partilhada com o Estado e Município a que corresponder a área de que foi extraído o petróleo.

Em razão do pré-sal oferecer baixo risco de prospecção e existência de vastas reservas, foi instituído um modelo de contrato de partilha em que a Pré-Sal Petróleo S/A – PPSA, empresa pública que representa o governo brasileiro, celebra um contrato com empresas privadas para exploração do petróleo. O Brasil deixa de receber royalties, mas passa a ser o dono do petróleo e a empresa estrangeira recebe­­ o petróleo como remuneração até compensar seu investimento e, a partir deste ponto, passa o Brasil a partilhar o petróleo excedente.

Muitos são os aspectos a serem abordados sobre o Tema, mas a discussão a respeito dele é uma agenda positiva para o Brasil.”

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Este Blog sucede ao www.advocaciapasold.com.br que foi visitado 109983.

Esta página já foi visitada 341082 vezes.

Site disponibilizado pela primeira vez em 18 de novembro de 2015.
Última atualização em 16 de Novembro de 2018.
Responsável Técnico: Leonardo Latrônico Prates
Responsável Geral: Prof. Dr. Cesar Luiz Pasold