A TERRA É VERDE

junho 14, 2020 Cesar Luiz Pasold Informações 0 comentários

Foto de Paulo Antonio LocatelliNosso Colaborador Paulo Antonio LOCATELLI (Promotor de Justiça de Defesa do Meio Ambiente do MPSC; Mestrando/ UNIVALI em dupla titulação com IUACA -Alicante;Professor da Escola do MPSC; Diretor da ABRAMPA), compôs um crônica, intitulada A TERRA É VERDE, que é uma belíssima ode ao Verde . Merece leitura reflexiva,  como segue:

“Ainda tem gente que sustenta que a Terra é plana. Contudo, A sua forma redonda e azulada é inconteste quando vista do espaço. Sob o ponto de vista de quem vive aqui na sua epiderme, como um Pequeno Príncipe em pé no pequeno asteróide B-612, a linha do horizonte nos tranqüiliza sobre a sua forma esférica.

Porém, vista aqui de baixo, a Terra é verde.

O verde da Terra constitui-se no motivo pelo qual as forças policiais e os exércitos substituíram os uniformes militares que antes eram elaborados com tecidos em tons vibrantes, de acordo com as cores de cada país, para a clássica camuflagem verde, dada a sua adequação para combates, em benefício da integridade dos soltados em suas missões.

Ao longo do tempo o verde sempre se impôs sobre as demais cores na linha de alcance da visão do ser humano. Não é à toa que algumas teorias afirmam que o tom esverdeado é a cor que melhor enxergamos, em razão do nosso passado como caçadores-coletores, que nos forçava a distinguir o verde para sobreviver da caça ou não ser caçado.

Talvez daqui a algumas centenas de anos, a cor predominante a ser visualizada passe a ser o cinza,  por conta do atual foco do olhar do homo sapiens em localizar vagas de estacionamento.
A palavra “verde” já surgiu como uma cor. Do latim virides, em virtude da observação de algo que ainda não amadureceu.

Quem não jogou um verde para colher maduro, buscando a partir de insinuações obter informações fidedignas

Certa feita, o ouro já foi verde. A erva mate já  foi chamada de ouro verde pelo quanto rendia a sua exploração. Mas o verde também pode ser deserto, representado no solo estéril deixado pelo plantio cartesiano de pinos que aniquila qualquer vida sob as suas folhas, agindo como uma lápide no solo, sepultando-o.

Mais do que uma simples junção do azul e do amarelo, o verde é um estilo de vida. Dizem que o verde é esperança.

Verde é a cor da fertilidade. Para os egípcios, a cor da pele do Deus Osíris é verde, pois representa o renascimento diante de cada cheia do rio Nilo.

 Verde também representa sorte nas quatro folhas do trevo. Verde é saúde e transmite segurança e tranqüilidade.

Faz bem ao corpo e ao espírito dispensar um tempo junto a natureza. O verde é puro, refrescante, natural, limpo, renovável. A maioria das variantes do símbolo da coleta seletiva utilizadas têm todas as setas na cor verde dobrando sobre si mesmas, produzindo uma fita de Möbius com três meias reviravoltas.

A resiliência ressurge em tons verdes. A sustentabilidade é verde. O verde valoriza à tudo e a todos. É só ver o valor que agrega aos imóveis quando ofertados com espaços verdejantes ou próximos às áreas verdes.

O selo verde, a origem orgânica, o feito a mão ou de forma artesanal, mexe com nosso subconsciente por uma razão muito simples, nos remete às nossas origens. À mãe terra e a avó querida.

A neuroantropologia estuda a interação do cérebro com a cultura e o comportamento humano. Ao que tudo indica, aproveitando-se da nossa vulnerabilidade cognitiva, várias empresas aderem a sua marca o prefixo ECO ou BIO, acrescentando uma logo ou rótulo verde, para subliminarmente ou explicitamente, atingir uma melhor comercialização dos seus produtos e serviços.

Basta ver o empenho das agências de publicidade em associar a marca ou o produto aos tons verdes do mercado com o aval das certificadoras de plantão, muitas vezes caracterizando a prática desleal também conhecida como Greenwashing.

Em muitos países, o verde pode ter conotações negativas. Na Europa pode ser associado com a inveja, e na Idade Média foi identificado à bruxaria e veneno. O verde é reproduzido na cor de certos demônios das culturas nórdicas, refletindo um aspecto não humano. O retrato de seres desconhecidos se amparava no verde. Lembra da cor dos extraterrestres nos filmes B? Verde.

Verde de raiva. Verde de fome. Verde de inveja. A grama do vizinho é mais verde. Na idade média, ter o jardim verde era sinal de prosperidade. Quem se dava ao luxo de manter uma grande área sem produtividade e bem cuidada era visto como próspero.

O verde é a cor símbolo da natureza e da amizade. Já reparam que todas as placas de trânsito com fundo verde são altruístas, alertando ou auxiliando a encontrar o destino correto. Sinais de trânsito verdes são sempre amigáveis e não proíbem nada. O sinal verde liberta e obriga a seguir em frente. O verde impulsiona.

A banalização do o uso dos tons de verde preocupa. Tudo está ficando verde até o que não é. Todos querem surfar na onda verde. O tema é por demais importante, mas temos muita clorofila utilizada de forma falaciosa é irresponsável.

Por certo, a ecologização do direito tornou as leis mais verdes. A nossa própria Constituição da República levou o verde da bandeira para o seu interior, ao elencar o meio ambiente como um direito fundamental, dever de todos, estendendo-o não apenas para as presentes gerações mas para as que estão por vir. Por isso, mais do que herdar todo o verde do Planeta de nossos antepassados, pegamos emprestado de nossos filhos.

A essência da sustentabilidade é pensar e agir em tons verdes. Como uma fotossíntese, devemos inspirar informação e conhecimento e exalar ações e exemplos voltados à sustentabilidade. Nossos atos, como em um efeito borboleta, transcendem as fronteiras da nossa casa, cidade ou região.

A gravidade nos mantém com os pés cravados em alguma pequena faixa desse Planeta verde, mas estamos todos conectados, não apenas digitalmente.

O verde simboliza todas as coisas boas, novas, justas, saudáveis, sustentáveis, biodegradáveis, ecológicas, puras e ingênuas. Verde também é usado como o antônimo de maduro. Preferível a eterna juventude, sentindo-se sempre cru, um rascunho de livre-arbítrio, que precisa sempre ser retocado pelo lápis do destino ou pela caneta da experiência, sem cercas verdes bloqueando o conhecimento.

Inspire harmonia e exale felicidade, como se fosse um organismo fotossintetizante que converte a energia do sol promovendo o principal processo de alteração de energia na biosfera.

A transformação do comportamento humano, assim como a fotossíntese, são essenciais para a manutenção da vida na Terra.

A TERRA É VERDE  !”

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Este Blog sucede ao www.advocaciapasold.com.br que foi visitado 109983.

Esta página já foi visitada 1154693 vezes.

Site disponibilizado pela primeira vez em 18 de novembro de 2015.
Última atualização em 11 de Agosto de 2020.
Responsável Técnico: Leonardo Latrônico Prates
Responsável Geral: Prof. Dr. Cesar Luiz Pasold