QUE TAL PRESENTEAR NOSSOS AMIGOS COM LIVROS ?

dezembro 15, 2020 Cesar Luiz Pasold Informações 0 comentários

FOTO LEUDOO Colaborador Permanente Professor Afonso Leudo de Oliveira CARVALHO comparece no nosso Blog, com uma indagação muito pertinente:que tal presentear nossos amigos com Livros?. Merece leitura atenta, em inteiro teor, a seguir!

“Tropeçavas nos astros desastrada quase não tínhamos livros em casa. E a cidade não tinha livraria, mas os livros que em nossa vida entraram. São como a radiação de um corpo negro. Apontando pra a expansão do Universo.

Porque a frase, o conceito, o enredo, o verso
E, sem dúvida, sobretudo o verso. É o que pode lançar mundos no mundo.

Tropeçavas nos astros desastradas em saber que a ventura e a desventura dessa estrada que vai do nada ao nada.
São livros e o luar contra a cultura.

Os livros são objetos transcendentes.

Mas podemos amá-los do amor táctil
Que votamos aos maços de cigarro
Domá-los, cultivá-los em aquários
Em estantes, gaiolas, em fogueiras
Ou lançá-los pra fora das janelas
Talvez isso nos livre de lançarmo-nos.
Ou o que é muito pior por odiarmo-los
Podemos simplesmente escrever um!

Encher de vãs palavras muitas páginas
E de mais confusão as prateleiras tropeçavas nos astros desastrada, mas pra mim foste a estrela entre as estrelas”. (Poema de Caetano Veloso no CD Livro.)

 Carlinhos Brown nos lembra que: os Livros não são sinceros, quem tem Deus Como Império, no mundo não está sozinho, ouvindo, sininhos.

Podemos sugerir milhões  de boas obras para você presentear seu amigo secreto ou não.

Eu começaria por Marcelo Gleiser e sua Dança do Universo. Dante e Sua Divina Tragédia e comédia humanas lembrada depois por Belchior que afirma: “onde nada é eterno”. E porque não citar Ariano Suassuna e o Auto da compadecida. Chico Buarque e seu estorvo. Gabriel Garcia marques e seu cem anos de Solidão. Darwin e a A Teoria da Evolução. Guerra e Paz de Liev Tolstói. O Diário de Anne Frank. São tantos títulos. Como ainda: Fernão Capelo Gaivota, O Pequeno Príncipe, Saint-Exupérry.

 Bora lá, quais você já leu desses títulos. Quais você relia. Vinícius de Morais e suas musas; Jorge armado, armado do melhor da Bahia, todos os seus santos e guias, João Ubaldo ribeiro que escrevia melhor quando estava embriagado. Os cordéis, os menestréis enchendo de vãs palavras tantos fados. Fernando Pessoa, Noel Rosa na verde e rosa mangueira. Paulinho da Viola e Capiba com seu pau pereira. Cantando lá em Olinda subido e descendo ladeira pois o frevo nos trouxe grandes poetas como Alceu Valença Chico Saens, escrever é como uma coceira que não sessa. Coça até fazer ferida. Em quantos poemas já não foram louvadas margaridas, aparecidas, a história dos Druidas. Quantas mentes já ferveram para compor na data preestabelecida a finalização dos textos para entrar no prelo; o cheiro do livro físico é belo, sem falar que vai ficando amarelo com tempo de prateleira. Bibliotecas são lugares onde os anjos erguem seus altares, está aí asas do desejo para que eu não cutuque a onça com vara curta e perca meus ares. Tem para todo os gostos e linguagens, e porque não dizer línguas, credos, fetiches. No avião no carro ou no metro, acompanhados de um cafezinho então, hum… faz um bem danado, quando criançã, costumava ler num anuncio de uma livraria “ Livro, o melhor amigo de um homem”, e porque não da mulher também. Poesia, prosa, verso. Texto poético, são tantas as variedades que, duvido, você não vá encontrar algum, para presentear alguém. E os infantis em três D, DVD. Ilustrado, para colorir. O hábito da leitura deve ser estimulado ainda na infância para que o indivíduo aprenda desde pequeno que ler é algo importante e, acima de tudo, prazeroso. Uma leitura realizada com prazer desenvolve a imaginação, a escuta atenta e a linguagem das crianças. O ato de ler deve ser um hábito cultivado desde a infância. Vivemos em uma Sociedade cada vez mais complexa, com mutações sociais precipitadas e constantes imprevisibilidades e alterações. Além disso, o uso veemente das novas tecnologias e a sede por informações imprime nas pessoas a precisão de adaptabilidade, opinião crítica, criatividade, competência para a inovação e abertura ao novo. O incremento de uma Sociedade de informação impõe-se, portanto, no mundo tecnológico em que vivemos.

A leitura reflexiva representa uma das boas vias para entender a realidade. É verídico que em nossa Sociedade as práticas leitoras são pouco incentivadas e desenvolvidas. Desta forma, dado a sua importância, a leitura deve ser estimulada e integrada ao cotidiano dos estudantes e, consequentemente de jovens e adultos.

Encontrar formas de tornar a leitura um hábito prazeroso é uma incumbência de todos os professores, mas, em especial, dos professores de Língua Portuguesa. Entretanto, esta tarefa não se caracteriza como fácil ou imediata; mas sim de forma lenta e progressiva, cabendo aos docentes encontrar métodos para incentivar. Muito se conhece e se fala sobre o hábito e a importância da leitura, inclusive sobre seus benefícios. De acordo com Brito (2015), é apropriado comparar a leitura a uma viagem: “Quando lemos um bom livro e nos deixamos ser transportados para uma realidade paralela, onde à medida que cada página é virada, o leitor é submetido a universo único, repleto de descobertas, encantamento e diversão”.

Mas, afinal, o que é ler? Silva (1987, p. 96), esclarece sobre o assunto: “A leitura não pode ser confundida com decodificação de sinais, com reprodução mecânica de informações ou com respostas convergentes a estímulos escritos pré-elaborados. Esta confusão nada mais faz do que decretar a morte do leitor, transformando-o num consumidor passivo de mensagens não significativas e irrelevantes.

É importante extrapolar alguns entendimentos relacionados ao inicial aprendizado da leitura. A mais importante é a que de ler é meramente decifrar, transformar letras em sons, tornando o ato de compreender somente consequência natural dessa ação. Com esta compreensão equivocada os educandários vêm lançando ampla quantidade de “leitores” bons em decifrar qualquer escrito, porém com espantosas dificuldades para entender o que arriscam ler.

Ter acesso à boa leitura é dispor de uma informação cultural que alimenta a imaginação e desperta o prazer pela leitura, possibilitando que se tenha a leitura com um hábito que faz parte do cotidiano, dessa forma, fazendo com que sempre se mantenha os conhecimentos atualizados. Então vamos ler !

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Este Blog sucede ao www.advocaciapasold.com.br que foi visitado 109983.

Esta página já foi visitada 1539852 vezes.

Site disponibilizado pela primeira vez em 18 de novembro de 2015.
Última atualização em 22 de Janeiro de 2021.
Responsável Técnico: Leonardo Latrônico Prates
Responsável Geral: Prof. Dr. Cesar Luiz Pasold